Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por Definir

Por Definir

21
Dez20

Nos livros

Até à data e desde 1 de Janeiro de 2020, li 21 livros. +2 do que no último ano. Não é péssimo tendo em conta que comecei um namoro este ano e mudei-me com o belo rapaz para um apartamento de 40m2. 

Ora, mudar de casa implica um stress que não desejo a ninguém. Depois foi a pandemia, maravilhosa para se estar sossegada em casa, péssima nos assuntos familiares visto ter estado 2 meses sem ir ao meu Alentejo. Com algumas neuras pelo meio, encaixei tempo para 21 livros. E há 15 dias que não pego num, a sério.

Comecei "A História Secreta" de Donna Tartt, altamente recomendada por um amigo e pelas dúzias de bookstagrams que sigo. Pois que não gostei e largei ainda não ia na página 100. Confesso que fiquei triste. Não gosto, particularmente, de ser do contra mas o livro não me puxou mesmo nada. 

Decidi-me pel' "O Homem Duplicado" de Saramago mas também não é bem aquilo que estou à procura num livro nesta altura do ano. Não me cativa muito, ainda não vou largá-lo mas a história não me envolve. 

Ainda não comprei o novo do João Tordo (escritor muito admirado por mim) porque estou a guardá-lo para o início do próximo ano (ou a aguardar que seja uma prenda de Natal). Sei que vou gostar e acho que é esse o livro que preciso para voltar em força às leituras. 

Não gosto desta preguiça literária. Não gosto, não gosto.

26
Jun20

Biografia involuntária dos amantes de João Tordo

“Biografia involuntária dos amantes” era um dos poucos livros de João Tordo que ainda não tinha lido.

Confesso que o início da narrativa não me cativou, mas continuei a leitura porque sabia, de antemão, que era uma boa leitura por já conhecer o autor.

O livro fala da amizade de dois homens que se cruzam na altura certa das suas vidas. Pessoas solitárias (tema que o escritor gosta tanto de explorar) que sofrem por amor, cada uma à sua maneira, e que procuram um sentido para a vida. Despojados de vitalidade, acredito que são a salvação um do outro, ilustrando tão bem o papel da amizade.

Gostei, especialmente, que o livro fosse direccionado para a melancolia, a solidão e para o amor nas suas várias vertentes. Atraem-me as diferentes incidências sobre os vários temas e a exploração elegante das suas características.

Por ser um livro de 2014, consegui perceber, comparando com as obras mais recentes de João Tordo, a sua evolução na escrita quer seja na riqueza do discurso como na construção dos personagens ao longo da história.

João Tordo é daqueles autores que espero que publique, pelo menos, um livro por ano até ao resto da minha vida porque detestaria viver sem o ler. Será por isso que ainda não li 3 dos seus livros. Estou a guardá-los para o caso de existir um ano sem publicações.

 

06
Jun20

Um dia de David Nicholls

O Sol espreita muito de vez em quando pelas nuvens gordas mas brancas que prometem não deixar brotar uma gota de água. O vento faz balançar os ramos esguios e altos dos eucaliptos plantados no cimo da colina junto à casa grande e o único som humano é o fechar de uma porta emperrada numa casa lá longe, do outro lado do monte. Está um dia de Outono que quase faz lembrar o Inverno mas, no entanto, é Primavera. Ela anuiu com a cabeça concordando que é o sábado perfeito para pegar no livro que ocupa a sua cabeceira há 2 dias intitulado de "Um Dia" por David Nicholls.

É um livro que narra a história de vida de dois amigos durante duas décadas. Curiosamente, cada capítulo dedica-se a um ano das suas vidas e descreve episódios aleatórios mas, de alguma forma, marcante para as personagens. Não é uma descrição de um resumo maçudo dos acontecimentos mas sim de um dia ou de uma semana em particular. Obra de fácil leitura devido à escrita fluida e bem construída pelo autor obrigando o leitor a identificar-se com os episódios da vida mundana das personagens. De leitura agradável e aprazível, lê-se de uma empreitada e fica-se com a sensação de que a vida passa tão mas tão depressa.

WhatsApp Image 2020-06-06 at 20.38.31.jpeg

 

14
Jun19

A mulher que correu atrás do vento

João Tordo é o meu escritor português preferido e esta afeição intensifica-se cada vez mais conforme vou lendo os seus trabalhos. Confesso que o seu penúltimo livro "Ensina-me a voar sobre os telhados" não me cativou mas, ainda que não o tenha lido na sua totalidade, a qualidade da sua escrita é indiscutível. 

A capa d'A mulher que correu atrás do vento fascinou-me desde o primeiro momento mas, não querendo colocar as expectativas no topo, não lhe atribuí importância. Retirei-o da estante da biblioteca municipal assim que o vi na secção dos destaques antes que alguém o requisitasse primeiro.

A história gira à volta de 4 mulheres que existiram em diferentes tempos históricos. Todas elas têm algo em comum e todas elas são admiravelmente retratadas tal como todas as outras personagens sobre as quais o autor se debruçou. 

Sobre a escrita confirmo que se mantém genial, a descrição dos cenários é tão perfeita que nos transporta até eles, já para não falar da continuação dos temas taciturnos e profundos. Ainda que seja um livro denso e pouco fácil, a sua complexidade está bem equilibrada com a fluidez e a imponência das palavras de João Tordo. A dor e a falta de uma figura maternal estão presentes ao longo do livro e é absolutamente notável o enredamento que se vai construindo no desenvolver da história. 

Creio que este livro demarca de uma maneira muito clara e evidente a evolução do autor comparativamente às suas obras menos recentes. Tive a sensação que João Tordo desabrochou e atingiu o seu expoente máximo como escritor. E eu que pensava que já não era possível prosperar-se mais... Fico a aguardar, ansiosamente, pelo próximo. 

12
Jun19

Liberdade a ler

Sou uma daquelas pessoas que não faz desafios de leitura, que não participa em clubes de leitura nem faz uma lista no final do mês com os livros destinados a ler no mês seguinte (mas gostava tanto!). Não o faço simplesmente porque para além do meu estado de espírito mudar (vezes consideráveis) ao longo do mês, há muitos livros que começo a ler mas que não termino. Por estas razões, não me comprometo com nada nem com ninguém (apenas 'livrescamente' falando!).

Sei que para alguns é pecado mas a lista de livros que tenciono ler é demasiado extensa e tende a aumentar gradualmente a modos que não perco tempo a ler um livro que não gosto ou com o qual não sinto qualquer tipo de empatia. Por vezes, não significa que o livro não é bom mas simplesmente que o meu estado de espírito não é o melhor para a obra em questão.

Considero-me uma leitura impulsiva. Leio o que me cativa naquele momento e mudo as leituras consoante a minha vontade. E esta liberdade é uma característica muito própria de quem lê. A leitura de um livro é uma viagem no tempo e no espaço que nos faz sentir livres. Por que razão haveríamos de continuar numa viagem que não nos acalenta a alma? 

Esta é a minha justificação por não ter prosseguido a leitura d'O último cabalista de Lisboa de Richard Zimler. É uma obra com muitos pormenores e exige a concentração que, neste momento, não disponho. Creio que a dificuldade em me focar está relacionada com o excessivo uso de redes sociais mas isso já é conversa para outra altura. 

Por ser tão seletiva, há apenas dois livros aos quais atribuí uma estrela e um livro ao qual atribuí duas (no Goodreads): A Metamorfose, Lolita e Como é linda a puta da vida, respetivamente. Se bem me recordo, creio que não li até à última página os dois primeiros livros mas como li mais do que dois terços, achei que o meu tremendo esforço e a minha forte opinião mereciam ser públicos! 

E não, não acredito que "o livro começa a ser interessante a partir do meio". Refuto. Quando um livro é bom, é bom desde a primeira palavra! 

E vocês, já deixaram livros a meio ler? Digam que sim para não me sentir sozinha! 

06
Jun19

Até ao fim do mundo

Li algures que era um livro excelente, que se só lêssemos um livro no ano, teria que ser este. Por estas razões, a minha expectativa estava (mais uma vez) muito elevada. 

O livro já tem alguns anos: é de 2013. Nesse mesmo ano, a autora Maria Semple foi finalista do Women's Prize for Fiction com este mesmo livro. 

Nunca tinha lido nada da autora e confesso que foi um daqueles livros que se lê a correr. Ainda que a analepse e prolepse estejam presentes, é de fácil e acessível leitura deixando-nos absorvidos à história. Retrata a história de uma filha que não perde a esperança e de uma mãe que sendo extravagante, não é louca ao contrário do que todos imaginam. A obra contém algum humor e é uma leitura leve mas ainda assim, não compreendo o entusiasmo pela mesma. Não foi das minhas preferidas mas é, sem dúvida, uma leitura agradável.

16
Mai19

Becoming - A Minha História

Já o li há mais de um mês mas sorrio sempre que ouço o seu título. "Becoming" de Michelle Obama foi um dos melhores livros que li este ano. Este ano e em toda a minha vida. Não me recordo se já tinha lido alguma biografia antes mas tenho a certeza que este género me conquistou. 

O que mais me impressiona é o percurso evolutivo de Michelle. Viveu numa casa modesta até que atingiu a maioridade e ingressou na faculdade. Desde essa altura que, com esforço e dedicação, tem vindo persistentemente a crescer na sua vida profissional. Esta senhora é a prova viva que nada acontece por acaso e que nada cai do céu. Sempre me foi dito que se não se trabalhar arduamente, nunca se terá uma vida confortável. Por ter plena consciência da sua veracidade, não tenho feito outra coisa se não dar o meu melhor em tudo o que faço. 

Este livro apareceu na altura certa da minha vida. Com a minha atual procura de trabalho, passo 12 horas em frente ao computador a enviar currículos e cartas de motivação. As respostas que obtenho são quase nenhumas e, ainda que me entristeça um bocadinho, sei que mais tarde ou mais cedo vou obter A resposta. Michelle Obama ensinou-me a olhar para a vida com outra perspetiva: a de que tudo é efémero. Os problemas de hoje, em princípio, já não o vão ser daqui a uns tempos. A preocupação é necessária na vida humana mas não vale a pena moer a cabeça por todo e qualquer assunto. 

Para além desta lição de vida, é agradável ler a escrita da autora que se revela fluente e acessível ainda que rica e precisa. Conhecer os procedimentos que estão por trás de qualquer movimentação na Casa Branca leva-nos a valorizar a nossa liberdade mas também, creio eu, a admirar a família Obama como nunca a tínhamos antes. 

23
Abr19

Se esta rua falasse

"Se esta rua falasse" de James Baldwin descreve na perfeição a dificuldade da integração dos negros na sociedade americana. A injustiça e o julgamento estão retratados na história que decorre nos anos 70 levando o leitor a menosprezar a discriminação e o estereótipo. Vi o egoísmo e o bem-estar individual a sobreporem-se à justiça. Vi o amor pela família a falar mais alto e a ser, sempre, o mais importante em situações de crise. Vi pessoas serem tramadas por causa da sua cor de pele.

Ainda que tenha noção da existência de injustiças pelo mundo, colocar-me na pele de alguém que já as sofreu traz outra dimensão à minha consciência. Olho para as coisa de outra forma, julgo as situações sem acusações e com discernimento. Este livro altera a nossa consciência e torna-a mais límpida e pura. É uma boa leitura.

57439867_448479662360994_8869112225063763968_n.jpg

 

18
Abr19

Eliete

Este não foi um livro que me tenha conquistado particularmente.

Foi o primeiro que li de Dulce Maria Cardoso e, ainda que tenha curiosidade em ler outros títulos, dispenso temas semelhantes. "Eliete" fala sobre uma mulher como tantas outras com as suas inseguranças, com o seu orgulho, a sua tristeza e a sua felicidades em pequenos apontamentos do quotidiano. Toda a obra gira à volta de Eliete, dos que a rodeiam e do vício desconcertante que podem ser as redes sociais. Identifiquei estranheza nos acontecimentos reais relatados no livro como a conquista de Portugal no Campeonato Europeu de Futembol em 2016. Normalmente, os únicos acontecimentos reais e detalhados nos livros são referentes a guerras. Considerei um pouco "desencaixado".

Gosto da escrita simples mas precisa que nos transporta imediatamente para o cenário onde tudo se desenrola. Não me agradou a personagem principal em si, desenvolvi sentimentos muito contraditórios por ela e fiquei, por vezes, negativamente ansiosa, o que prejudicou a leitura agradável do livro. Fiquei com a ideia de que a história não desenvolveu. Inicialmente, fiquei curiosa e com vontade de ler mais mas logo percebi que não havia mais: era só aquilo. Não recomendo. 

08
Abr19

Estar vivo aleija

Tal como previra, Ricardo Araújo Pereira não desilude. Atualmente participa no "Governo Sombra" e nas "Manhãs da Comercial" e ainda apresenta o "Gente que não sabe estar" aos domingos à noite. Para além de rádio e televisão, escreve ainda, semanalmente, crónicas para a revista "Visão" e "Folha de São Paulo". É destas últimas crónicas que o livro é composto. 

O livro é uma compilação de crónicas que o autor escreveu para o jornal brasileiro que junta o humor, a inteligência e o sentido de oportunidade. Estão referidos os temas mais mundanos com os quais nos deparamos diariamente. O autor debruça-se sobre um qualquer assunto com um brilhantismo de invejar. Se lhe pedirem para escrever sobre uma parede branca, aposto que seria um texto tão cómico como um a falar de política. Um dia quero ter a sua imaginação e a sua harmonia na escrita. 

Vivamente recomendável, como não poderia deixar de ser. 

Nota

Todas as imagens aqui publicadas são do Pinterest, excepto se existirem indicações contrárias.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D