Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Por Definir

Por Definir

12
Nov18

Um fracasso que lecionou

Um dia não me corria tão mal há muito tempo. 

A levantar-me às 6h30 para apanhar um autocarro que se atrasou, iniciei a viagem de ontem já cansada. O meu companheiro era um rapaz britânico que está na mesma situação que eu: a viver na Ásia por uns tempos. Licenciado em literatura inglesa, é um tipo simpático e, claro, adora livros. Poderia pedir melhor companhia? 

Incrivelmente, chegámos à cidade vietnamita com muita vontade de voltarmos para casa. De rastos e sem essa opção, decidimos comer qualquer coisa para repor energias. Dirigimo-nos a um restaurante local e pedimos o que sabíamos (pensávamos) ser seguro. Extremamente oleosas, as panquecas vietnamitas eram insípidas. O rapaz não só comeu tudo, como utilizou as suas mãos para o fazer. Nada contra não fosse ele limpar os dedos aos calções e à blusa. Considero-me uma pessoa limpa, extremamente asseada, fruto da minha educação. Penso que será fácil imaginar que não consegui acabar o meu almoço. 

Sabendo que ninguém é perfeito, esforcei-me para esquecer esta calamidade. Mais adiante, pagámos uns euros para ter acesso a um monumento considerado Património da Humanidade pela UNESCO. Foi uma desilusão. 

Havia apenas mais um ponto turístico que nos interessava e quando lá chegámos, o guarda avisou-nos que estava fechado. Frustrados, tentámos planear o resto do dia quando nos apercebemos que o guarda nos estava a chamar, pedindo dinheiro para a entrada. Percebemos que estava a ser corrupto e, como achámos a situação muito desagradável, partimos. 

O céu ameaçava chover pelo que decidimos tomar uma bebida reconfortante. Demasiado exaustos e desiludidos, queimámos 4 horas num café, à espera do comboio que nos levaria de volta a casa. Comboio esse que se atrasou mais do que 1 hora e que parecia saído dos filmes.

A plataforma era antiga e o senhor que dava indicações ao comboio tinha uma daquelas lanternas ao estilo anos 90. O conforto que oferecia era razoável mas não se enquadrava no espaço. Porque o comboio passava junto às casas, a pobreza deste país esteve mais visível que nunca. Senti que retrocedia no tempo e que estava no século XX. Foi a partir deste momento que parei de me sentir desapontada porque, no final do dia, eu tinha à minha espera uma cama confortável e comida para me aconchegar o estômago. 

 

Nota

Todas as imagens aqui publicadas são do Pinterest, excepto se existirem indicações contrárias.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D